Dermatite das fraldas: o primeiro incômodo na saúde da pele dos bebês

MELASMA
15 de fevereiro de 2019
Você sabe identificar uma VERRUGA?
15 de fevereiro de 2019
Exibir tudo

Dermatite das fraldas: o primeiro incômodo na saúde da pele dos bebês

Dermatite da fralda, também chamada de assadura, é uma irritação da pele do bebê, que surge na área coberta pela fralda, normalmente com contato prolongado das fezes ou urina.

A dermatite é extremamente comum e não necessariamente indica falta de cuidados com a higiene do bebê.

Dermatite da fralda:

A assadura é uma das lesões dermatológicas mais comuns nos bebês. A maior incidência ocorre entre 9 e 12 meses de vida. A dermatite da fralda também pode acontecer nas pessoas idosas quando necessitadas usar fraldas geriátricas.

Quando a pele fica exposta à umidade, fica fragilizada e mais suscetível a lesões físicas, químicas ou mecânicas. A pele úmida favorece a absorção de substâncias potencialmente irritantes contribuindo para a proliferação de bactérias e fungos.

Causas:

A dermatite da fralda não é uma lesão única, mas sim um termo genérico para variadas irritações que ocorrem na região das fraldas. Existem várias causas, sendo as mais comuns:

  • O contato prolongado da pele coberta pela fralda com urina e/ou fezes.
  • Atrito da fralda de tamanho inadequado.
  • Aumento da umidade local.
  • Alergia pelo contato do material da fralda.
  • Dermatite de contato por substâncias químicas presentes na fralda.
  • Brotoejas, devido ao calor e suor dentro das fraldas.
  • Acometimento por fungos.
  • Infecção por bactérias.

Em muitas situações, uma ou mais causas estão presentes ao mesmo tempo.

Sintomas:

Certamente pais de segunda viagem conhecem bem as características visuais das assaduras, pois, de modo geral, os bebês, em algum momento, poderão apresentá-las. Mas, para quem nunca esteve em contato com o problema, o principal sinal de alerta nos bebês, sem dúvida, é a apresentação de uma vermelhidão na pele, com aspecto brilhante ou com pequenas “bolinhas” mais avermelhadas.

A lesão costuma ser bastante dolorosa, causando muito desconforto no bebê, que poderá dar sinais de irritação ao longo do dia e dificuldade de dormir.

A troca das fraldas acaba ficando mais complexa, pois a limpeza da pele pode provocar dor, com isso a criança fica mais agitada. Portanto, muito cuidado, a fricção de produtos químicos como os lenços umedecidos pode agravar o problema.

A intensidade da lesão varia desde lesões pequenas e avermelhadas até irritações mais intensas na área da fralda. Descamação também é comum.

Quando a assadura se manifesta com fator causal do plástico da fralda ou por fricção, as lesões costumam ser mais periféricas, localizando-se mais nas laterais das coxas e na barriga.

A assadura persistindo por mais de 3 dias aumenta o risco de proliferação por fungos e/ou bactérias.

Prevenção:

O mais importante é impedir que a pele do bebê fique muito tempo em contato com fezes ou urina. A fralda deve ser trocada com mais freqüência, principalmente sempre que estiver com urina e fezes.

Procure pelas melhores marcas de fraldas com o tamanho adequado, pois elas são mais eficientes. Quanto maior a capacidade de absorção da fralda, mais segura ela é contra assaduras. As descartáveis são mais eficientes.

Toda troca deve ser precedida de limpeza da pele do bebê de forma suave, com algodão ou uma gaze macia. Esfregar em demasia a pele do bebê contribui para irritação.

Pomadas:

O uso de pomadas para assaduras serve para prevenção e para tratamento da dermatite da fralda.

As pomadas que contêm óxido de zinco e petrolato são bastante comuns para prevenir o problema. Outras pomadas muito boas possuem lanolina e calêndula em sua composição.

Para a prevenção, o ideal é aplicar uma camada generosa a cada troca de fraldas.

Não havendo fezes e estando instalada uma assadura, não é preciso limpar os resquícios da aplicação anterior de pomada e sim providenciar uma nova camada por cima da antiga. Pomadas contra assaduras criam uma barreira física de substâncias irritantes e umidade, reduzindo, com isso, o contato da fralda conta a pele.

O talco, muito usado antigamente, hoje tornou-se pouco comum, mas também tem a função de reduzir a umidade dentro da fralda, contudo, apenas o talco não é capaz de tratar ou prevenir uma dermatite de fraldas.
Tratamento:
Os casos leves podem ser feitos apenas com as medidas preventivas descritas anteriormente e com pomadas para assadura. Evite usar sabonete na área assada ou produtos que contenham álcool e perfume. A troca da fralda deve ser frequente, a cada 2 horas, se possível. Após o banho, em sendo possível e estando o ambiente climatizado, é importante deixar o bebe sem fralda para arejar e secar totalmente.
Se as medidas de controle a dermatite persistirem por mais de 4 a 5 dias, é imprescindível consultar um médico dermatologista para avaliar o caso e verificar se existe ou não a necessidade de prescrição de pomadas com antifúngico ou de corticoides tópicos.
Nos casos mais graves, com infecção fúngica e/ou por bactérias, o uso de antifúngicos ou antibióticos por via oral pode ser indicado pelo médico dermatologista, com o aval do pediatra.

Dr. Rogerio Angelucci
Dr. Rogerio Angelucci
Dermatologista - CRM 125.156/SP

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *